O dia da cirurgia

A cirurgia, que envolve a extração do cristalino e implante da lente , é realizada em centro cirúrgico. Trata-se de um procedimento rápido e indolor, com anestesia local. 

Para a cirurgia, a pupila deverá estar dilatada com o uso de um colírio (gotas oftálmicas) prescrito pelo seu médico oftalmologista. O cirurgião desinfectará o olho a ser operado e administrará uma anestesia local. A cirurgia é rápida e indolor. Uma vez concluída, o olho ficará protegido por um curativo.  Após um curto repouso, você poderá voltar para casa. Uma vez que não pode dirigir logo após o procedimento, alguém terá de estar consigo no dia da cirurgia.

No dia seguinte ao procedimento, o olho operado será avaliado. O seu oftalmologista irá explicar-lhe o tratamento médico pós-operatório.

Os tipos de anestesia

Normalmente, é utilizada uma anestesia local (tópica) constituída por colírio (gotas oftálmicas). Em alguns casos, poderá ser combinada com um tranquilizante leve. Outra opção será a anestesia geral (recomendada para crianças, pessoas muito nervosas ou pessoas com patologias específicas).

A técnica cirúrgica 

O objetivo da cirurgia é substituir o cristalino opaco (catarata) ou o cristalino claro (presbiopia simples) por um implante artificial transparente da seguinte forma:

  • Com o olho aberto, mantendo as pálpebras imobilizadas.
  • Realização de incisões que permitam inserir os instrumentos no olho. Com as técnicas de microincisão modernas (entre 1,5 e 2,8 mm), a incisão cicatriza sozinha, sem a necessidade de pontos.
  • Injeção de uma substância viscoelástica, um material gelatinoso que ajuda a proteger o olho.
  • Execução de uma capsulorrexis: abertura redonda na cápsula anterior do cristalino realizada com um instrumento especial que permita inserir uma sonda que vai emulsificar o núcleo do cristalino. A abertura é feita manualmente com um bisturi ou com um laser.
  • Fragmentação do cristalino mediante ultrassom e extração (facoemulsificação).Ou,fragmentação do cristalino mediante laser e extração (laser de femtosegundo).
  • Inserção do implante intraocular no saco capsular (mesmo local onde estava o cristalino).

Resultados após a cirurgia

O paciente começa a recuperar a visão a partir do primeiro dia após a cirurgia. A recuperação total pode demorar algumas semanas.

Após a implantação da lente artificial, por vezes a refração para longe não está totalmente correta. Nestes casos, poderá ser necessária uma correção a laser posterior.

Após o procedimento, o paciente pode visualizar halos à volta das fontes de luz durante a noite ou ficar perturbado com as luzes dos faróis dos carros que se aproximam. Estes distúrbios diminuem significativamente passados alguns meses, especialmente devido ao fenómeno de neuroadaptação do cérebro.

Taxas de sucesso do procedimento

Esta cirurgia é o procedimento mais comum do mundo e possui uma taxa de sucesso total em 95% dos casos. No entanto, tal como qualquer intervenção, nunca podemos excluir a hipótese de uma complicação. A complicação mais grave que pode ocorrer durante a cirurgia de catarata é uma infeção intraocular. A frequência deste tipo de complicação é de 1 em 2500 casos. Em 4 casos de cada 1000, podem ocorrer dificuldades durante a cirurgia, resultando no descolamento da retina. Esta situação requer uma cirurgia adicional.

Em um terço dos pacientes, a cápsula do cristalino pode voltar a ficar opaca em poucos meses ou até anos após a cirurgia. Este fenómeno designa-se por "catarata secundária" ou "opacificação da cápsula posterior". O tratamento envolve a realização de uma abertura na cápsula posterior opaca (capsulotomia) através de um laser YAG (procedimento reailizado em ambulatório). Este procedimento irá restaurar a visão no dia seguinte ao tratamento a laser.